Publicado em 09/04/2018

Expogrande 2018: Cerca de 80 pessoas participam  das oficinas gastronômicas do Sistema Famasul

Participantes tiveram orientação sobre elaboração de doces, de pão integral, de hambúrguer gourmet e de churrasco

O Senar/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural realizou quatro oficinas gastronômicas, durante a Expogrande 2018. Ao todo, participaram cerca de 80 pessoas, nas ações desse final de semana. O evento foi realizado no Parque de Exposições Laucídio Coelho, sede da Acrissul.

As primeiras oficinas foram de Doces Caseiros e de elaboração de Pão Integral de Batata-doce. Entre as alunas, voluntárias do grupo de Gestantes e Mães do projeto Pé no Chão, participaram da iniciativa e vão aplicar os aprendizados no projeto social. “Gostei muito das oficinas, achei as receitas simples e as orientações bem certinhas para fazermos com nossas crianças do projeto e em casa também.”

Oficina de Doces aconteceu no sábado, dia 07.

Animada, a voluntária, Rosana Gonçalves Aquino, já quer agendar os testes no projeto para fazer as receitas. “Estou impressionada com a receita do pão integral de batata-doce. Fica muito gostoso e não é difícil, precisamos começar a treinar com as participantes que não puderam estar com a gente hoje”.

Os participantes da oficina de hambúrguer gourmet ficaram impressionados com as técnicas ensinadas pelo instrutor do Senac, Adriano Torres. “Basta apenas 1 grama de sal para temperar um hambúrguer. A quantidade suficiente entre o polegar e o indicador”. O método explicado pelo chef é para que o sal penetre de forma uniforme e a carne não resseque.

Para a assistente administrativa do Senar/MS, Isabelle Gonçalves, o curso foi excelente, e forneceu dicas que facilitam na hora de fazer em casa. “O mais relevante foi a informação do ponto da carne, como saber identificar só pela maciez”.

Colaboradores do Sistema Famasul participaram da Oficina de Hambúrguer Gourmet.

Na aula de churrasco, até o mais experientes, aproveitaram a explicação do instrutor, como afirma o engenheiro agrônomo,  Douglas Zarn, 28 anos. “Aprendi sobre os cortes e o ponto de assar da carne. É muito importante para garantir a maciez. Por mim, eu fazia churrasco todos os dias”.

 

“Fiquei sabendo das oficinas pelas redes sociais. Eu aprendi muito, desde a escolha das facas até o ponto. Tudo novidade para mim. Agora já me sinto apta, inclusive para pinar lá em casa”, brincou a engenheira agrônoma Edvânia Cardoso, 24 anos.

Para o instrutor, o churrasqueiro sul-mato-grossense é especialista, devido a sua tradição, mas ainda tem alguns pecados. “Cortezinhos errados, sal antes de assar, passar um pouco do ponto. São pequenos erros que, com a experiência, é possível mudar”.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Sistema Famasul

image_pdfimage_print