Skip directly to content

Produção de soja em MS deve ultrapassar 10 milhões de toneladas na safra 2018/19

17/09/2018 - 15:30
Mais de 600 pessoas participaram da Abertura Nacional do Plantio de Soja, em Terenos
 
O plantio de soja em Mato Grosso do Sul deve ultrapassar 10 milhões de toneladas. O anúncio foi feito nessa segunda-feira (10), durante a Abertura do Plantio de Soja Brasil safra 2018/19, na fazenda Jaraguá, em Terenos. O evento contou com a participação de mais de 600 pessoas, entre produtores rurais, profissionais e estudantes do setor, além de lideranças rurais e políticas. 
 
De acordo com os dados levantados pelo SIGA/MS – Sistema de Informações Geográficas do Agronegócio, ferramenta de monitoramento da Aprosoja/MS, a área disponível para o plantio da oleaginosa está prevista em aumentar 4% nas duas últimas temporadas, com produtividade prevista em 59,2 sacas por hectare em 2018/19. 
 
O presidente da Aprosoja/MS – Associação dos Produtores de Soja de MS, Juliano Schmaedecke, destacou que a safra recorde no estado é a comprovação da consolidação da agricultura em Mato Grosso do Sul.
 
“Em 20 anos, a produção estadual de soja cresceu 320%. Esse resultado não seria possível sem o trabalho do agricultor sul-mato-grossense e o avanço das pesquisas. Por isso, quero agradecer o apoio da Embrapa, da Fundação MS e da Fundação Chapadão, instituições que nos ajudaram a difundir as mais diversas tecnologias, dentre elas, o plantio direto, que revolucionou a forma como cultivávamos a terra”.
 
Segundo o presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito, a evolução no agro é fruto do trabalho desenvolvido pelos produtores rurais em parceria com a comunidade científica. “A agricultura de Mato Grosso do Sul tem um ambiente favorável à produção de soja, que apresentará um aumento de área inferior a 5%, mas com uma capacidade de produção elevada, com expectativa de atingir, na temporada 2018/19, um patamar aproximado de 10 milhões de toneladas. É um resultado inédito amparado pela grande adesão de novas tecnologias de produção por parte dos produtores rurais.”
 
Os dois representantes agradeceram aos proprietários da fazenda Jaraguá, Márcio e Walter Duch. “É uma demonstração clara do empreendedorismo do produtor rural brasileiro. Vocês [família Duch] fizeram a transformação e mostraram à sociedade brasileira o que é possível ser realizado com a adesão à tecnologia. Em um local com variados níveis de degradação de pastagens nesse município, hoje se transformando em um potencial produtivo, com produtividade superior a 70 sacas por hectare”, afirmou Mauricio Saito.
 
O presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz Pereira, parabenizou o estado. “É muito bom ver a casa cheia, mesmo com toda a chuva, em um evento que marca o início de uma grande safra para Mato Grosso do Sul e para o Brasil”.
 
Do mesmo modo, o superintendente da Semagro, Jaime Verruck, destacou o crescimento local associado ao agro. “É impressionante ver o desenvolvimento de Terenos e de Mato Grosso do Sul à medida que o setor produtivo avança”. 
 
A deputada federal Tereza Cristina Correa Dias salientou: “Eu sou de Terenos e é uma alegria muito grande começamos uma safra abençoada com essa chuva”.
 
Após a abertura, a diretora do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), Adriana Brondani, apresentou o painel técnico 'O futuro da Biotecnologia e a Importância do Glifosato para a Agricultura Brasileira'. “O Brasil adotou a biotecnologia há 20 anos e hoje temos várias culturas com adesão à tecnologia, em taxas muito altas”, salientou.
 
O pesquisador da Embrapa, Dionísio Gazziero, falou da importância do glifosato na agricultura brasileira e de técnicas de cultivo sustentáveis: “Hoje temos em todo Brasil, 32 milhões de hectares com o plantio direto no sistema de produção. Nesse sentido, o glifosato se faz importante.”
 
Na sequência, o especialista em Agronegócio da MB Associados, Alexandre Mendonça de Barros, comentou sobre as perspectivas a respeito do mercado da soja e do cenário político e macroeconômico. “Hoje uma das maiores influências do mercado nacional é a guerra comercial entre a China e o Estados Unidos. Os chineses têm o maior saldo comercial e a maior parte está associada à produção de industrializados, antes produzidos pelos americanos, resultando na tarifação, por parte do governo Trump, dos produtos do país asiático”. Barros falou ainda dos resultados das safras anteriores e do tabelamento do frete.
 
As chuvas não impediram a abertura simbólica do plantio da soja que contou com a presença do vice-presidente da Famasul, Luís Alberto Moraes Novaes; do diretor-secretário do Sistema Famasul, Frederico Stella; da diretora-tesoureira da Federação, Thais Carbonaro Faleiros; do superintendente do Senar/MS, Lucas Galvan; da diretora-técnica da Federação, Mariana Urt; da deputada federal, Tereza Cristina Correa Dias; do deputado estadual, Enelvo Felini; do vice-presidente da Aprosoja/MS, André Dolbaschi; do ex-presidente da Aprosoja/MS; Christiano Bortolotto; do presidente da Fundação MS, Luciano Mendes; do superintendente  da SFA/MS, Celso Martins; do presidente da OCB/MS, Celso Ramos Regis; do presidente do MNP, Rafael Gratão, além dos presidentes dos sindicatos rurais: de Campo Grande, Ruy Fachini Filho; de Maracaju, Christiano Binz; de Terenos, João Borges; e de Bandeirantes, João Lyrio, entre outros representantes do setor.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul - Ana Brito e Diego Silva