Skip directly to content

Famasul assina termo de cooperação que visa difundir técnicas de manejo integrado para intensificar o controle de pragas em MS

11/09/2019 - 18:00

O presidente da Famasul – Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul, Mauricio Saito, participou, nesta quarta-feira (11), na sede da Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) do lançamento do Plano Estadual para Difusão do MIP (Manejo Integrado de Pragas). A iniciativa visa difundir práticas de manejo integrado para o controle de pragas agrícolas.

O plano foi sugerido pelo CEA (Conselho Estadual de Agrotóxicos) em abril deste ano, quando foi criado um GT (Grupo de Trabalho) coordenado pela Semagro, com a participação de membros do conselho e representantes de entidades públicas e privadas, incluindo o Sistema Famasul.

Para o presidente da federação, Mauricio Saito, a essência do plano é estimular a utilização do MIP e adotar suas principais práticas nas áreas agrícolas do estado. “Hoje, é preciso difundir alguns conceitos de extrema importância para o setor: conhecimento, uso racional de insumos e monitoramento in loco, o que pode reaproximar o produtor de sua lavoura. Esses são pontos substanciais dessa iniciativa”, acredita.

O Sistema Famasul, com toda a sua expertise em capacitação, já está adiantado em relação a alguns conceitos do MIP. Há 2 anos oferece o Curso de Inspetor no Campo, que já capacitou 336 trabalhadores rurais. São dois cursos – Soja e Milho – que têm o objetivo de auxiliar no levantamento de pragas durante o desenvolvimento das culturas. Os temas trabalhados são principais pragas e seus inimigos naturais, manejo integrado de pragas e interpretação da ficha do MIP.

Agricultura sustentável

A demanda da criação do plano surgiu justamente para apresentar novas propostas de controle de pragas, contribuir para a sustentabilidade da agricultura, reduzir custos de produção e promover a manutenção da viabilidade econômica das cadeias produtivas.

Entre as principais práticas adotadas no MIP estão: rotação de culturas, uso de plantas que atraem inimigos naturais, uso de produtos seletivos e adoção de controle biológico. O monitoramento das populações de pragas nas áreas de produção é determinante na escolha das práticas a serem adotadas. 

Atrativo econômico

Para o secretário da Semagro, Jaime Verruck, o plano pode contribuir com a economia do estado. “A iniciativa estimula pesquisas, atrai biofábricas para Mato Grosso do Sul, que são indústrias e start ups de defensivos e biofertilizantes, por exemplo. Mais do que boas práticas no campo, a iniciativa pode ajudar no desenvolvimento econômico do estado”. 

Para o superintendente da Semagro, Rogério Beretta, o conceito MIP já existe em várias regiões do estado. “A partir deste lançamento, haverá uma evolução ainda maior das práticas para se construir uma base sustentável, criativa, com uso racional alternativo e principalmente com tecnologias”. 

Inicialmente, foram selecionadas para integrar o plano as culturas da soja, milho, feijão, algodão, cana-de-açúcar e florestas plantadas. O incentivo à horticultura também foi priorizado pela importância na Agricultura Familiar.

Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul - Anahi Gurgel

Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul – Anahi Gurgel