Skip directly to content

Programa Saúde do Homem e da Mulher Rural: Em Guia Lopes da Laguna, iniciativa do Senar/MS atende 250 pessoas

11/06/2019 - 08:00

Na 41ª edição do programa Saúde do Homem e da Mulher Rural realizada no município de Guia Lopes da Laguna, a 230 km de Campo Grande, cerca de 720 procedimentos foram disponibilizados para aproximadamente 250 pessoas.

O evento contou com a participação do superintendente do Senar/MS, Lucas Galvan. “Nós começamos esse programa em 2016, com intuito de levar conhecimento e prevenção à saúde dos homens e mulheres do meio rural. Sabemos que, no dia a dia atribulado e corrido do campo, é difícil termos um tempinho para olhar a nossa saúde. O projeto visa isso, trazer prevenção na urologia, ginecologia e dermatologia. É a oportunidade de termos uma vida mais saudável e produtiva”, relatou Galvan.

Para o presidente do Sindicato Rural de Guia Lopes da Laguna, Jesus Cleto Tavares, a ação é uma forma de retribuir ao produtor rural todo o trabalho voltado à população. “Agradecer a todos por responderem o chamado em busca da saúde. Temos que ser gratos ainda mais, ao produtor rural, seja ele de grande ou pequeno porte, que levanta cedo para trabalhar.  A ação é uma retribuição ao esforço de quem produz os alimentos para nós”, disse.

O presidente da Câmara Municipal, o vereador Gilberto Ferreira, ressaltou a importância de todos cuidarem da saúde. “O produtor rural precisa e às vezes não tem tempo ou pela questão financeira para correr atrás. Esta ação é um exemplo para todos nós”, disse.

O prefeito de Guia Lopes da Laguna, Jair Scapini, agradeceu a parceria com o sindicato para a realização do programa. “Guia Lopes faz a diferença com a participação de todos”, resumiu.

Transformando Vidas - Para o paciente Eduardo Rodrigues, de 68 anos, a oportunidade de consultar com o urologista no interior é única. “Eu faço acompanhamentos médicos em Campo Grande. Vindo pra cá facilita demais”, disse.

Maurília Perez, de 54 anos, passou pela dermatologista. “A gente que mora no campo tem dificuldade de vir para cidade e ser atendido por um médico. Fui [nessa especialidade] uma vez só. Essa foi a oportunidade”.

Com 35 anos, Gisele Aparecida Aleixo não ia ao ginecologista há mais de um ano. “Atendimento muito bom. É muito difícil ter médico especialista aqui. Tem que ir pra Campo Grande ou pagar consulta particular”, finalizou.

Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul – Leandro Abreu